Diálogos Científicos Cartas com Ciência

Além de promover o diálogo entre cientistas e estudantes de comunidades não privilegiadas nos países de língua portuguesa através de trocas de cartas, a Cartas com Ciência pretende também ser uma plataforma para a diplomacia e cooperação científica entre os países de língua portuguesa. Contando com mais de 650 cientistas na nossa comunidade, criámos o Ciclo de Colóquios “Diálogos Científicos Cartas com Ciência”, para aproximar cientistas de diversas áreas de formação e países numa sessão de debate e partilha de experiências e sob a alçada de temas relacionados direta ou indiretamente com a ciência. 

Participar ou assistir

Inscrições para participação por zoom limitadas a 95 pessoas, com prioridade para a comunidade de cientistas Cartas com Ciência. Participantes terão direito a certificado de presença.

Transmissão em direto a partir de https://www.facebook.com/pg/CartascomCiencia/videos/

Próxima data

17 de Fevereiro

11h00 Brasília  |  13h00 Praia  |  14h00 Bissau/Lisboa/São Tomé  | 15h00 Luanda  | 16h00 Maputo  | 23h00  Díli

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na Guiné-Bissau, muitas áreas estão em construção, e o seu progresso à margem daquilo que seria desejado, verificando-se a ausência de uma estabilidade política e governativa. A Ciência é uma das áreas que tem sofrido esses bloqueios, mas continua resiliente e a fazer o seu próprio caminho. Nesta sessão, vamos tentar compreender como a Ciência tem sido encarada na Guiné-Bissau e por guineenses e quais são os seus desenvolvimentos tendo em conta todo o seu contexto e aplicação no país.

Com:
Viriato M’Bana, Investigador (Malária e interface Malária-câncer)
Nelvina Barreto, Gestora Pública e Consultora

Acessibilidade

A transmissão em direto a partir do Facebook tem transcrição automática. Infelizmente não conseguirmos garantir a transcrição não automática em direto no zoom ou interpretação em todas as línguas gestuais e de sinais dos países de língua portuguesa. Na Guiné-Bissau, muitas áreas estão em construção, e o seu progresso à margem daquilo que seria desejado, verificando-se a ausência de uma estabilidade política e governativa. A Ciência é uma das áreas que tem sofrido esses bloqueios, mas continua resiliente e a fazer o seu próprio caminho. Nesta sessão, vamos tentar compreender como a Ciência tem sido encarada na Guiné-Bissau e por guineenses e quais são os seus desenvolvimentos tendo em conta todo o seu contexto e aplicação no país.

Iremos disponibilizar as gravações das sessões legendadas no nosso canal do “YouTube”

Sessões Passadas

Cartas com Ciência: O trabalho desenvolvido e o futuro, com Rafael Galupa, Mariana Alves, José Maria Langa e Marlene Arminda José (20.12.21)

Gravação não legendada aqui. Gravação legendada em breve.

Com quase dois anos de existência, focada na promoção do diálogo entre cientistas e estudantes de comunidades não privilegiadas nos países de língua portuguesa, a Cartas com Ciência continua comprometida em estabelecer parcerias entre as comunidades científicas Nesta sessão falámos sobre esse caminho, o futuro, e ouvimos experiências de intercâmbio científico e educacional dentro da nossa comunidade.

“Nós” e os “outros” – por um mundo sem fronteiras, com Paula Cardoso (24.11.21)

Gravação não legendada aqui. Gravação legendada em breve.

“A família em que nascemos e a sociedade em que crescemos calibram as lentes com que olhamos o mundo, estabelecendo fronteiras entre “nós” e os “outros”. Mas até que ponto temos consciência de que esse foco de partida distorce realidades, reproduzindo preconceitos, nomeadamente étnico-raciais? Esta é uma oportunidade para revermos e equilibrarmos leituras. Por um mundo sem fronteiras.” Paula Cardoso

Qualquer questão pode ser dirigida a comunidade[at]cartascomciencia.org

Cartaz com fundo azul, com um ícone redondo com imagem de avião de papel em fundo amarelo, com fotografias das pessoas oradora, onde se podem ler informações que constam na descrição do evento.