Ronda 1 - Investigação, Carreira e Ensino Superior

Está na hora de pegar na caneta e começar a escrever a sua carta de resposta!

O tema da primeira ronda é “Investigação, Carreira e Ensino Superior”. Pode encontrar em baixo sugestões de tópicos e considerações a pensar e a desenvolver relacionados com este tema, que esperamos que ajudem a inspirar-se sobre o que escrever. Sempre que possível, relacione o conteúdo das cartas com a sua experiência pessoal e profissional, e espicace a curiosidade das crianças!

IMG-20201022-WA0027.jpg

Estudantes a preparar as suas Cartas com Ciência (São Tomé e Príncipe, outubro 2020)

Investigação, Carreira e Ensino Superior

Em um ou dois parágrafos, descreva a sua profissão e área de estudo numa linguagem acessível e o seu caminho desde a escola secundária/ensino médio até onde se encontra hoje.

 

Para muitas das crianças, esta é a primeira vez que vão associar a ciência a um emprego! Queremos dar-lhes a conhecer exemplos de pessoas que se tornaram cientistas e com quem elas consigam identificar-se, tornando ao mesmo tempo a ideia de "ir para a faculdade" mais real para os alunos. Se sentiu barreiras ou dificuldades durante o seu percurso, partilhe como prosseguiu e o que aprendeu - pode ser muito importante e motivador para estudantes que não conheçam cientistas ou pessoas que tenham concluído o Ensino Superior.

 

Sugestões (a ideia não é responder a todas estas perguntas; escolha 1-4 para desenvolver, tendo em conta o limite de máximo de 2 páginas de texto por carta e não se esquecendo de responder à própria carta que recebeu)

 

  • Onde é que trabalha? Descreva e/ou inclua uma fotografia (e.g. em trabalho de campo, no laboratório, no escritório, biblioteca, viagens, etc.)

  • Como é trabalhar e viver no país em que está? Se vive no estrangeiro, como é ser cientista no estrangeiro?

 

  • Descreva um dia típico no trabalho (e.g. com quem interage, se trabalha virtualmente, tarefas diárias, etc.)

  • Onde estudou e o que estudou? Descreva e/ou inclua uma fotografia (e.g. na instituição de ensino superior, com colegas, nas aulas) Como decidiu onde e o que estudar?

  • Porque é que o Ensino Superior foi importante? Que​ mais valias lhe trouxe e que oportunidades lhe abriu?

 

  • Explique em que consiste o seu trabalho/investigação (cada estudante recebe frase do seu/da sua cientista, submetida durante a formação no formulário de emparelhamento)

  • Porque é que o seu trabalho é importante? Que questões está a tentar responder ou que problema está a tentar resolver? O que espera conseguir a longo prazo?

  • O que é o seu factor "uau"? O que se destaca como a melhor ou mais entusiasmante parte do seu trabalho? (da sua perspectiva ou da perspectiva de uma criança da idade do seu/da sua estudante)

  • Se fez investigação e entretanto mudou de carreira, como foi o seu percurso? Que mais valias lhe trouxe a ciência?

  • Descreva a sua parte favorita de ser cientista ou de ser estudante do Ensino Superior.

  • Crie uma linha cronológica do seu percurso desde o Ensino Superior, com destaques de cada ano, começando com a sua procura de instituições de ensino superior até onde se encontra agora. 

  • Sabia que queria prosseguir o curso de pós-graduação quando iniciou o seu percurso universitário? Se não, como decidiu que era o correto para si? Alguns estudantes podem sentir-se inseguros em relação ao Ensino Superior depois de lerem como alguns cientistas estiveram na faculdade durante mais de 5 anos.

  • Que outros aspetos fazem parte de ser cientista e do ensino superior que gostaria de destacar ou são importantes para si?

Tenha em atenção: em relação a palavras académicas como “doutoramento” ou “pós-doc”, a maior parte dos estudantes não saberão ao que se referem e por isso convém explicar o que significam. 

 

Lembre-se, esta descrição personalizada do seu trabalho é uma componente importante da sua carta, mas não deve ser a carta inteira. O principal é estabelecer uma conversa natural e informal, interagindo também com o conteúdo da carta que recebeu e respondendo às perguntas que tiverem sido feitas. Não se esqueça que uma boa carta deve ter até duas páginas de texto, entrecortadas com elementos visuais sempre que possível – fotografias, imagens, desenhos, mapas... Sobretudo, evite longas passagens de texto. Mais informações em baixo para ajudar a escrever cartas inesquecíveis.

Lembrete: Não partilhe qualquer informação de contacto adicional nem incentive a sua ou o seu estudante a continuar a corresponder-se consigo fora do programa Cartas com Ciência.

Pode ainda consultar aqui conselhos adicionais para interação com estudantes que digam não gostar de ciência.

Perguntas Frequentes

Pode consultar aqui as nossas respostas às perguntas mais frequentes de cientistas por correspondência.

 

Materiais da Formação

Recorde os nossos vídeo e diapositivos  com instruções, sugestões e conselhos sobre como escrever Cartas com Ciência, e exemplos de boas práticas para preparar cartas inesquecíveis.


Recorde também o vídeo e diapositivos  sobre a logística do programa.  Pode aceder a mais recursos da formação na sua turma da Google Classroom (por exemplo, vídeo sobre situações excecionais ou código de conduta)

Não pense demasiado, ponha as dicas de lado, e relaxe a escrever a sua carta. Antes de terminar a sua carta, confira esta lista de verificação para garantir que não se esqueceu de nada.

Boa escrita de cartas!